veredas_cabeceira

ISSN 0874-5102

Criterio de procura:



Número 9

A revista Veredas focaliza, neste número, a grande diversidade das manifestações da língua portuguesa. São estudos que descrevem e analisam variações lingüísticas e estratégias de aquisição do português em situações de diglossia e enquanto língua segunda. São questões de atualidade em termos de pesquisa na área, neste momento de grandes deslocamentos populacionais no plano interno de cada país, em especial nos países africanos de língua portuguesa, e também no externo, diante das novas dinâmicas sociais resultantes da globalização.
Nossas variedades lingüísticas vieram, evidentemente, de nossa experiência histórica, considerada nas interações político­culturais ocorridas inicialmente sob a hegemonia imposta pelo pro­cesso colonial. Vieram depois outras hegemonias, mas também re­sistências às tendências unidirecionais esses fluxos, que tém resultado apropriações que enredam esses direcionamentos assimétricos. Como resultantes desses tensionamentos, registram-se no passado, como na atualidade, variantes situacionais da língua portuguesa, com múltiplos recortes: locais, regionais, nacionais, plurinacionais. Há vários crioulos e numerosas modalidades sociolingüísticas, que estabelecem seus estatutos. Tais interpenetrações, além de procurarem romper o sentido dos fluxos hegemônicos, modelizam a língua naquilo que ela tem de manifestação concreta: suas formas variantes, pois o paradigma é abstrato. São poderes simbólicos que, ao se vincularen a situações mais específicas, não deixam de dinamizar o sistema que as atravessa, a língua portuguesa.
As circulações entre nossos povos, que viveram experiências históricas comuns com o contato entre africanos, ameríndios e europeus, levam-nos a nos conhecer naquilo que ternos de próprio e de comum. Nos processos de hibridações resultantes desses contatos culturais encontram-se traços que marcam a maneira de ser de cada um de nossos povos. A busca desses caracteres lingüístico-culturais constitui possibilidades em termos de pesquisa que os ensaios aqui reunidos procuram levantar.
Em relação às pesquisas que tém sido realizadas em âmbito universitario, há a necessidade de as dinamizarmos, alargando-as para projetos conjuntos entre grupos de pesquisa dos três continentes, com integração de várias áreas do conhecimento, aproximadas sob o influxo e mediação de nosso comunitarismo cultural. A língua e seu sistema paralelo, as literaturas em portugués, constituem um campo básico náo só para a indução da pesquisa, mas também para a dinamização das relações entre os países de língua portuguesa. Necessitamos de projetos que afirmem políticas de pesquisa do idioma comum, suas literaturas e culturas com ele imbricadas, de maneira a associar instâncias universitárias às agências de fomento. Não só: os ministérios de relações exteriores devem apoiar essas demandas co­munitárias enquanto fato relevante de política de Estado.
É importante, para a concretização desses horizontes mais gerais, que pesquisas, como as que aparecem neste volume, repercu­tam em cada país, alargando seus efeitos do campo da pesquisa uni­versitária para o do ensino da língua portuguesa, em seus múltiplos registros. Trata-se, pois, nos planos interno e externo de cada país de língua portuguesa, de se formular políticas comuns que certamente afirmarão o ensino do português e o nosso comunitarismo lingüístico-cultural, neste momento de grandes deslocamentos populacionais em nivel internacional. Se o comunitarismo leva-nos à formação de blocos, sua inclinação aberta, supranacional, desenha um gesto capaz de abrigar também as comunidades de nossos migrantes, postas à margem em outros países, em razão das assimetrias do grande capital.

Conteúdos:

INÊS DUARTE
O Português moderno a e Romania (Nova)

MARIA FERNANDA BACELAR DO NASCIMENTO, LUÍSA PEREIRA, ANTÓNIA ESTRELA, JOSÉ BETTENCOURT GONÇALVES E SANCHO OLIVEIRA
Aspectos de unidade e diversidade do Português: as variedades africanas face à variedade européia

MARGARIDA TADDONI PETTER
O léxico compartilhado pelo português angolano, brasileiro e moçambicano

JOHN LIPSKI
Angola e Brasil: vínculos lingüísticos afro-lusitanos

MARILZA DE OLIVEIRA
Português Brasileiro, Português Moçambicano e as línguas crioulas de base portuguesa

GREGÓRIO FIRMINO
Aspectos da nacionalização do Português em Moçambique

CHRISTOPHER STROUD
O Português de Moçambique na construção de um espaço social e político

ESPERANZA CARDEIRA E MARIA ALICE FERNANDES
O Português medieval: koinização e elaboração

Descarregar número 9

 

Veredas1

Veredas2

Veredas3

Veredas4

Veredas5

Veredas6

Veredas7

Veredas8

Veredas9

Veredas10

Veredas11